quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Como é Feita uma Cena de Sexo no Cinema ou TV


Um vídeo divulgado pelo diretor americano Joe Carnahan está fazendo sucesso na rede.

Trata-se de uma cena de sexo de "Stretch", mais recente produção do americano, em que a atriz Brooklyn Decker e o ator Patrick Wilson fingem ter um orgasmo.


Bem humorado, o diretor grita "Boa transa!", antes de um assistente borrifar um líquido que simula suor nas costas de Wilson.

Este é o oitavo filme dirigido por Carnahan, conhecido por filmes independentes como Smokin' Aces (2007) e The A-Team (2010), que unem ação e humor ácido.

Mas aí, surge aquela pergunta por parte dos espectadores: Mas a cena é real? Existe "sexo técnico", assim como existe o "beijo técnico"?

Lamentamos decepcioná-los mas, sim, existe o "sexo técnico". Exceto raríssimas exceções, alguns filmes não-pornográficos possuem cenas reais, mas como disse, são raros.

O sexo nas telinhas e telonas segue uma regra básica: você não precisa ver para crer. Os diretores usam uma série de recursos de filmagem para que o espectador acredite que os atores estão de fato mandando ver. A temperatura das técnicas pseudossexuais vai subindo de acordo com o tipo de filme: elas podem ir de simples brincadeiras de edição até o extremo do sexo real.

Não é muito difícil de acreditar que os diretores utilizam recursos que induzem o clima de sexo para conseguirem atingir o objetivo da cena, mas o estranho é que até a temperatura é alterada de acordo com a “agitação”.

E assim as cenas de sexo acabaram sendo divididas em quatro classificações que vão desde cenas mais frias até aquelas absurdamente quentes, e cada uma utiliza de truques diferentes para convencerem os telespectadores:

1 – Faz de conta: Nesse caso o sexo não é tão importante, então muitas vezes você entende o que aconteceu, mas não vê nada. A temperatura do set fica bem fria, até porque a classificação indicativa para esse tipo de cena é de 12 anos.

2 – Dublê: Acontece quando a cena de sexo é importante, mas os atores se recusam a executa-la. Então o diretor precisa decidir entre não gravar a cena e simplesmente mostrar os atores cobertos por lençóis ou contratar um dublê para gravarem as partes de corpo. A temperatura nesse tipo de gravação é morna e a classificação indicativa é de 14 anos.

3 – Sexo técnico: Nesse caso os atores topam completamente a nudez. E ficam no set apenas aquelas pessoas indispensáveis para a filmagem e direção da cena. E finalmente a nudez acontece sem tapa-sexo ou qualquer roupa íntima. Entretanto não há penetração, por isso a cena precisa ser rica em detalhes e acaba sendo gravada de diversos ângulos para facilitar a edição e credibilidade da cena. Nessa categoria a temperatura já sobe bastante e a classificação é de 16 anos.

4- Sexo! Essas cenas são um pouco raras, mas acontecem. E acreditem não são apenas em filmes pornográficos. Entretanto trás uma grande dificuldade para os diretores, que é conseguir que os atores fiquem à vontade para serem gravados em um momento tão íntimo. A temperatura é absurdamente quente e a classificação é de 18 anos.


Agora é só observar atentamente as cenas mais quentes da TV e classifica-las!

Fonte: Site Youtube; Site Poltrona de Cinema; Site Catraca Livre.